06 abr5 tendências de consumo que irão mudar o mercado

A tecnologia continua a evoluir em passos largos. Depois das novidades apresentadas no Mobile World Congress, no CES e o evento da Apple para apresentar o iWatch, está cada vez mais claro que o consumidor tecnológico vai impactar cada vez mais nas empresas.

Confira abaixo 5 tendências que irão mudar este cenário:

1 – Os vídeos estão em todos os lugares

Câmeras estão em todos os lugares. A geração das selfies vão criar um novo padrão no local de trabalho onde o vídeo nada mais é do que o já esperado. Não haverá mais o confinamento numa sala ou num computador. O smartwatch da Dick Tracy já está por aqui para nos dizer isso. O Meerkat, um aplicativo que permite aos usuários fazerem vídeo-conferências em tempo real  através da conta no Twitter, foi o destaque na SXSW (South by Southwest, festival de música, cinema e interatividade, realizado no Texas).

As empresas também estão lançando plataformas de vídeo para smartwatches. A Glide oferece a experiência de mensagens em vídeo ao vivo para as principais plataformas de smartwatch, tais como Android Wear e a Apple Watch. O vídeo será incorporado no software e no processo do negócio. Por exemplo, os colaboradores vão capturar anotações para acrescentar aos sistemas de engajamento e gravação, assim como gravações de clientes e créditos de seguro. Os responsáveis por atendimento ao cliente vão usar vídeos para mostrar ao consumidores as instalações e consertos necessários.

Mas as empresas não estão levando esta tendência a sério porque consideram o vídeo como algo complexo, caro e fixo a uma sala. As empresas precisam se planejar para a era do vídeo, o que significa mais capacidade de dados, maior armazenamento e novas bases de dados que possam processar as informações.

2 – As tecnologias “usáveis” vão invadir as empresas e os smartbands terão sua vida útil prolongada

A entrada da Apple no mercado vai estimular uma onda de aplicativos inovadores e fazer com que as categorias de produtos sejam mais interessantes. Clientes da Lopez Research estão à procura dos wearables (dispositivos tecnológicos que podem ser usados pelos consumidores, como smartwatches, aparelhos para captar frequência cardíaca e calorias durante exercícios, etc), o que significa que as áreas de TI e Marketing estão antecipando o dia em que as informações serão enviadas para nossos pulsos ou óculos. As empresas, ao contrário dos consumidores, tendem a manter um hardware por 3 anos se possível.

Comprar um smartwatch é um risco se a tecnologia muda a cada 6 meses. However, a Pebble deve ser uma das primeiras empresas a trabalhar nesta questão. No Mobile World Congress, ela anunciou o conceito de smart straps que podem ser atualizados e comunicados com a principal parte dos wearables. É uma grande ideia para melhorara vida geral do produto. Isso dá abertura à inovação e à habilidade de adicionar novos recursos de informações à medida que sensores específicos tornam-se mais baratos.

3 – A realidade virtual começa nos jogos, mas termina nos escritórios

Enquanto óculos de realidade virtual são um tanto quanto pesados e um pouco geeky, os avanços do último ano tem sido fenomenais. No Mobile World Congress, a HTC e a Valve anunciaram o HTC Vive, uma plataforma de realidade virtual e hardware para PCs. Atualmente nós temos o Oculus Rift, o projeto Morpheus da Sony e o Hololen da Microsoft como concorrentes pelo espaço de realidade virtual.

Enquanto todos os olhares tem se voltado ao Google Glass e ao Vuzix no mercado empresarial, vale a pena apostar um pouco mais nas empresas orientadas aos consumidores de jogos com um software que oferece um ambiente empresarial convincente. Este ambiente é incrível, mas aplicativos empresariais estão cerca de 3 anos atrasados.

A maioria dos óculos não entrarão em produção real até 2016, levando em consideração que sejam lançados a tempo. A maioria das versões são realmente incríveis, mas dentro de 5 anos você pode estar usando estes óculos no trabalho. Imagine um mundo de reuniões interativas, vídeos de treinamento e expansão de soluções para otimizar os serviços.

4 – A tecnologia para carregar dispositivos sem fio irá mudar os modelos de escritório

Os colaboradores de uma empresa devem carregar cerca de três ou mais dispositivos para o escritório se contarmos com smartphones, tablets e wearables. As empresas precisam começar a pensar em acrescentar estações sem fio para recarregar aparelhos em suas salas de reuniões, áreas públicas e mesas de trabalho.

O Starbucks já começou a desenvolver esta tecnologia com o carregador sem fio Powermat.

5 – A autenticação de usuários se torna mais fácil para os trabalhadores e mais difícil para os profissionais de tecnologia

Antigamente era muito mais fácil para um profissional de TI quando os trabalhadores apenas precisavam de um cartão para acessar o escritório e uma senha para acessar o computador. No futuro, o TI precisará autenticar usuários e acesso a informações nos wearables, smartphones e outros dispositivos. Ao mesmo tempo, empresas como Dell e Intel estão incorporando reconhecimento facial nos PCs, 2n1s e tablets. Por exemplo, um consumidor pode desbloquear o acesso ao computador e logar em sites de ecommerce utilizando reconhecimento facial, voz ou um terceiro elemento de autenticação como um smartphone.

A Microsoft tem apostado na aliança com a FIDO e planeja disponibilizar acesso biométrico. Desenvolvedores de smartphones como Apple e Samsung estão elaborando reconhecimento de digital para acessar os celulares. A ZTE acrescentou o software EyeVerifySecurity (tecnologia que identifica o usuário através do globo ocular) e empresas como Brivo Labs estão discutindo o contexto de segurança baseado nos wearables.

O que importa não é onde a tecnologia foi desenvolvida primeiramente, mas sim como as empresas farão para adaptar tais tecnologias para seus segmentos de mercado.

Texto traduzido do original presente no site da Forbes.