14 marAs cinco forças responsáveis pela penetração do ecommerce no varejo

Escrito por Ticiana Werneck, do Portal No Varejo

Pesquisa Morgan Stanley indica as cinco forças capazes de aumentar a penetração do e-commerce no mundo

Há boas e más notícias para o varejo tradicional, segundo a última pesquisa sobre o setor envolvendo o e-commerce, divulgada pela Morgan Stanley. A primeira: o e-commerce continuará a crescer quatro vezes mais rápido que o varejo tradicional. Algumas categorias continuarão “protegidas” – pelo menos por enquanto – da investida on-line, como comida, itens de higiene e remédios, móveis, material de construção e roupas de marca. Já outras como livros, eletrônicos e artigos esportivos representam o fôlego para a escalada.

A penetração das vendas on-line ainda é pequena, a média mundial é de apenas 6,5% – na Coreia do Sul essa média sobe para 15%, nos EUA é 10%, enquanto no Brasil não chega a 5%. Não é à toa que Jeff Bezos, presidente da Amazon, afirma: “Estamos ainda no ‘Day One’ do e-commerce”.

O estudo da Morgan Stanley, que contém dados da AlphaWise, lista cinco forças responsáveis pelo aumento de penetração do e-commerce:

1 – Preço: Consumidores gostam de comprar itens considerados comodities pelo menor preço possível. A internet elevou a comparação de preços a um novo nível. Os varejistas on-line que oferecem preço baixo estão em vantagem;

2 – Seleção:
Os varejistas on-line alargam seu alcance, o sortimento se tornou impressionante já que não há o obstáculo físico – nas prateleiras virtuais sempre cabe mais um item. Mesmo quem não atua numa categoria pode passar a vendê-la, aumentando a escala. A Amazon já vende alimentos e por mais que esta ainda não seja uma operação lucrativa, é mais uma frente que a empresa abre para aumentar sua extensão de atuação;

3 – Conveniência: A conveniência é um trunfo inegável do varejista on-line, que devido ao crescimento da estratégia multicanal oferece diferentes possibilidades para o consumidor receber ou retirar seu pedido;

4 – Distribuição: A internet permite que o varejista on-line distribua seus produtos pelo mundo – não está limitado pela localização de seus pontos de venda. Mesmo localmente, as empresas não param de investir em centros de distribuição e logística para acelerar processos e entregas. A Amazon possui 87 CDs pelo mundo, os quais demandaram – especula-se – um investimento entre US$ 8 a US$ 10 bilhões. Essa já é uma barreira física a possíveis concorrentes que terão que suar muito para se estabelecer no mesmo patamar;

5 – Estrutura de custo:
Varejistas tradicionais precisam das lojas enquanto varejistas on-line precisam de investimentos em marketing para tornar sua marca conhecida e ser um destino considerado na web. O varejista on-line eficiente tem escala e atinge uma estrutura de custo melhor que um varejista tradicional. “Se ele já é grande, ficará maior”, diz a Morgan Stanley.

Texto extraído de http://www.portalnovarejo.com.br/destaque/destaques/o-que-impulsiona-o-e-commerce