10 maioComo melhorar as margens de lucro?

Escrito por Daniel Zanco, sócio-diretor da Universo Varejo

Tenho escutado diversos varejistas reclamarem com frequência sobre a crescente dificuldade de manter as taxas de lucro dos seus negócios. As pressões são diversas e destacam-se nesse cenário:

Custo de ocupação – dado o recente aquecimento do setor imobiliário, fica cada vez mais difícil manter o custo de ocupação nos sonhados 10% do faturamento que se usava em projeções há alguns anos atrás.

Custo de mão-de-obra – que segundo muitos empresários é cada vez menos fiel, menos produtiva e mais assediada por outros setores da economia, como serviços e indústria em geral.

Aumento da concorrência – com o surgimento de novas marcas, novos centros comerciais, chegada de players internacionais e invasão de categoria de supermercados e grandes lojas.

Carga tributária – que massacra o varejista, sobretudo o que tem um resultado superior aos limites do simples nacional.

A resposta à pergunta-título do artigo não é simples e seria uma pretensão conseguir elucidar todos os problemas em poucas linhas, mas sem dúvida algumas atitudes podem contribuir para a melhoria do cenário. Entre elas:

  • GESTÃO DE ESTOQUES – práticas tidas como normais em locais com um varejo mais maduro, como gestão efetiva do ciclo de vida de produto, OTB (Open to Buy), Mark Down Preventivo, verba de compra e tantos outras podem contribuir significativamente para a melhoria dos índices de lucratividade, sobretudo para produtos mais perecíveis como moda, reduzindo muito volume de  produtos liquidados e a diferença entre mark up inicial e mark up médio realizado de uma coleção.
  • GESTÃO DE PESSOAS – é comum varejistas padronizarem as vitrines, o uniforme, o software de frente de loja, mas negligenciarem a relação entre gestores de ponto de venda e sua equipe. Uma boa liderança de loja pode fazer a diferença em termos de turn over e performance de colaboradres. Práticas como seleção por competência, feedback sistematizado, avaliação de performance, cronograma de capacitação, remuneração variável, incentivos não-salário e muitas outras podem diminuir o peso financeiro da alta rotatividade de funcionários, contribuir para a qualidade da mão-de-obra na loja e impedir que seus funcionários troquem a sua empresa por uma oferta R$ 50,00 melhor.
  • PLANEJAMENTO, PROCESSOS e TECNOLOGIA – recursos amplamente usados na indústria para melhorar a eficiência do ambiente de trabalho podem ter resultados excelentes quando bem aplicados ao varejo. Realizar planejamento, prevendo eventuais contigências, melhorar os processos e colocar a tecnologia para trabalhar a favor do negócio tende a elevar e eficiência de uma operação varejista, dar mais segurança e qualidade de vida aos colaboradores, reduzir os desperdícios, otimizar a mão-de-obra e melhorar as taxas de lucro.

O mercado mudou por pressões de diversas origens e será vitorioso o varejista que perceber isso antes e entender que as receitas que levaram ao sucesso no passado não garantem a sobrevivência nesse novo e competitivo ambiente.

Pense nisso e boas vendas!