21 fevElementos de sucesso para o Franchising são destaque na Convenção IFA

Escrito por Mariana Iwakura, da Pequenas Empresas & Grandes Negócios

A partir da esquerda, Dennis Wieczorek e Philip Zeidman, do DLA Piper; John Hamburger, presidente da Franchise Times; e Jim Amos, da Tasti D-Lite

O que afeta as franquias no dia a dia? Quais são os fatores que devem fazer parte das preocupações dos líderes de redes daqui em diante? Essas questões pautaram o encontro “Elementos do franchising de sucesso”, no segundo dia da 53ª Convenção Anual da International Franchise Association. Os participantes da mesa apontaram o que tem influenciado o sucesso das franquias atualmente e quais são as tendências em que eles devem prestar atenção para manter sua participação no mercado.

1. O relacionamento com o franqueado: Jim Amos, chairman da rede de sorveterias Tasti D-Lite, afirma que gostaria de ter entendido antes a importância das pessoas no negócio. “O coração do franchising é a relação entre o franqueador e o franqueado. E é também a maior dificuldade do sistema”, diz Amos. “É crucial que esse relacionamento seja forte e igualitário. Em relação ao dinheiro, todas as partes precisam receber aquilo que estão esperando”, afirma Jack Earle, sócio da Earle Enterprises e dono de franquias do McDonald’s.

2. Regulamentação e relações governamentais: Mudanças em leis e na tributação afetam os gastos das empresas, que devem participar ativamente do desenvolvimento de políticas públicas. “Não há nada mais importante do que ter atitude”, diz Amos.

3. O poder aquisitivo dos consumidores: Nos Estados Unidos, o emprego e a renda da população sofreram com a crise dos últimos anos. Na medida em que o poder de compra diminui, o cliente presta mais atenção no valor daquilo que ele recebe da rede. “As melhores franquias se concentram na entrega de valor, no preço, em operações menores e na variedade de produtos. Se a proposta de valor não estiver no topo da sua lista, você vai perder participação no mercado”, afirma Philip Zeidman, sócio do escritório de advocacia DLA Piper.

4. Mudanças no perfil demográfico dos clientes: O envelhecimento da população e a manutenção da participação feminina no mercado de trabalho fazem com que surjam oportunidades de negócios no franchising. Segundo Zeidman, incluir esses perfis no público-alvo da rede é o caminho para manter o market share da franquia.

5. Alterações no estilo de vida dos consumidores: Ambiente, exercícios físicos e dieta são temas que ganharam espaço nas vidas dos clientes, e eles esperam encontrar essas preocupações nos produtos que consomem. “As melhores franquias concentram seus investimentos em publicidade nesses novos elementos”, diz o advogado.

6. Os fundos de private equity: A possibilidade de vender a marca para um fundo aumenta a necessidade de manter a empresa saudável e em dia com obrigações legais e tributárias. Se, na due dilligence, um fundo encontrar problemas, isso afetará a transição, afirma Zeidman.

7. Mídias sociais: A comunicação pela internet aproximou franqueadores, franqueados e clientes e deu importância igual a todas as vozes. “A política de uso das mídias sociais deve fazer parte do manual de operações da franquia”, diz Zeidman. As regras unificadas auxiliam na gestão das inevitáveis crises.

8. Internacionalização: Os 200 maiores franqueadores dos Estados Unidos têm 34% de suas unidades fora dos país, e essa proporção está crescendo. De acordo com Zeidman, essas empresas terão de construir equipes aptas a lidar com clientes e franqueados estrangeiros.

Texto extraído de http://revistapegn.globo.com/Revista/Common/0,,EMI331171-17180,00.html