05 janFrete Grátis é a nova tendência na América do Norte

free shipping

Para os varejistas norte-americanos, a entrega gratuita é uma norma. Isto é bom para novos compradores, mas não tanto para investidores.

Durante as festas de final de, outlets desde a Target até o Walmart e Amazon expandiram as opções de entregas gratuitas, adicionando mais itens sem taxa. Eles também eliminaram os preços mínimos nas compras.

Conforme mais compradores veem o frete grátis como um direito, os varejistas lutam para lucrarem online. Esta luta se tornará evidente nas próximas semanas, quando as companhias reportarem os resultados financeiros da temporada de final de ano, segundo analistas.

“Para muitas empresas, é muito difícil tentar oferecer algo rápido e grátis”, afirma Steve Osburn, diretor de logística na Kurt Salmon. “Isto está acabando com as margens de lucro de alguns varejistas”.

O frete continua a ser um ponto de discussão entre varejistas de lojas físicas e a Amazon, com ambos os lados gastando muito em logística. Oferecer frete grátis tem sido uma prática comum em altas temporadas, mas em 2014 os varejistas apostaram muito nesta prática durante o ano todo.

O número de compras online nos Estados Unidos feitas com frete grátis atingiram uma taxa de 68% no terceiro trimestre de 2014, de acordo com a comScore, representando um aumento de 44% em comparação ao ano anterior. A Amazon disse que poupou o gasto de $2 bilhões de dólares de seus clientes com o uso do frete grátis.

Muitas destas economias partiram do programa Amazon Prime, que oferece frete grátis na maioria dos itens por uma taxa de $99 por ano.

Outros varejistas, incluindo a Target e o Walmart, estão removendo o limite mínimo de compra para concessão de frete grátis para atrair consumidores. Somente metade das empresas abastecidas pela Kurt Salmon eliminaram estes limites para a alta temporada de 2014, um aumento de 5% em comparação ao ano anterior.

Vantagens a um alto custo

Mas estas vantagens vem com um custo alto. O custos da Amazon com fretes durante  os primeiros nove meses de 2014 atingiram 32%, comparados com 29% no mesmo período de 2013.

Este subsídio crescente para os consumidores deve dar aos investidores mais motivos para descartarem as ações da Amazon. O estoque da empresa caiu 22% em 2014 mesmo que o mercado norte-americano tenha ganhado mais do que 11%.

A Target disse que, em Novembro, o crescimento das vendas online estava pressionando as margens, devido, em grande parte, às despesas com frete. Assim como a Amazon, a Target oferece frete grátis o ano inteiro para consumidores que possuam o cartão da empresa. As compras online representam cerca de 2,5% da receita total da Target, ou $1.85 bilhões dos $74 bilhões obtidos anualmente.

Pequena escolha

Os varejistas não possuem outra opção senão se adaptar ao meio. A maior parte das vendas nos EUA ainda ocorre em lojas físicas, mas o ecommerce está crescendo rapidamente. As vendas online atingiram 16% no terceiro trimestre em comparação aos 4% nas vendas do varejo em geral.

Para compensar o alto custo em embalagens nos fretes, os varejistas tentaram apostar nas lojas físicas, onde podem utilizar a abordagem do omnichannel. Isto inclui pedidos online feitos através de lojas próximas ao invés de unidades mais distantes para reduzir os custos de frete, ou incentivando os clientes a retirarem suas encomendas feitas online diretamente nas lojas físicas.

O Walmart, por exemplo, oferece retirada grátis para aqueles que optarem por retirar seus produtos no mesmo dia em que a compra foi realizada – isto se aplica para pouco mais de 70.000 produtos.

“As margens são piores para todos mas isto não importa d efato, pois você precisa jogar o jogo”, disse Oliver Chen, analista da Cowen and Company. “Este é o caminho que o comprador está tomando, quer você queira, quer não”.

Traduzido do original presente no Business Insider.