21 outHavaianas será usada como marca de roupas a partir de 2014

Escrito por Mariana Barbosa, da Folha de São Paulo

A Havaianas vai virar marca de roupas a partir do segundo semestre de 2014.

A Havaianas vai virar marca de roupas a partir do segundo semestre de 2014.

Uma equipe de 20 criadores já foi contratada para desenvolver produtos e estamparias de moda casual e de praia. As peças serão produzidas em fábricas de terceiros e vendidas nas lojas exclusivas da marca no Brasil.

A empresa que possui hoje cerca de 300 lojas no Brasil e 120 no exterior, deve expandir para 370 e 130, respectivamente, no ano que vem.

Mas as lojas exclusivas representam menos de 2% das vendas totais de R$ 3 bilhões da Alpargatas.

A maior venda de sandálias de borracha acontece em pontos de vendas que vão desde redes como C&A e supermercados a vendinhas de beira de estrada nos mais remotos cantos do país.

“As lojas exclusivas dão dinheiro, são rentáveis, mas funcionam mais como um instrumento de marketing, um ponto de contato do consumidor com a marca. Não faz tanto sentido como negócio”, diz o presidente da Alpargatas, Márcio Utsch.

A Alpargatas também planeja expandir sua divisão de moda de luxo, inaugurada com a aquisição da grife carioca Osklen no início deste ano. O contrato prevê a aquisição de mais 30% da grife no segundo trimestre do ano que vem, o que daria à empresa de calçados seu controle.

Nos planos, estão novas lojas da Osklen no Brasil e no exterior e novas aquisições na área de moda de luxo.

FÁBRICA

A Alpargatas inaugurou ontem uma nova fábrica em Montes Claros, norte de Minas, que amplia a capacidade de produção anual de Havaianas em 40%. Serão 102 milhões de pares ao ano, que se somam à produção de quase 260 milhões anuais que saem da fábrica da Paraíba.

Com investimento de R$ 276 milhões — R$ 30 milhões a mais do que a previsão inicial –, a fábrica tem inovações tecnológicas e ambientais que a coloca entre as mais avançadas no setor de transformação de borracha.

As perdas de resíduos foram reduzidas a quase zero, e até as rodelinhas que sobram do furo onde se encaixam as tiras são reaproveitadas e viram sandálias.

Os grandes investimentos foram no desenvolvimento tecnológico de máquinas e equipamentos com firmas da Alemanha e da Itália.

A estrela é uma torre vertical de 13 metros de altura (equivalente a seis andares) que transforma parafina, óleos e outros mais de 160 insumos em borracha, com ajuda da gravidade e do calor gerado no próprio processo.

As máquinas, de baixo custo de manutenção, produzem mais com 30% menos insumos e mão-de-obra.

Para o presidente da Alpargatas, uma fábrica com capacidade similar mas sem os avanços tecnológicos custaria R$ 100 milhões a menos.

A nova planta vai elevar em 2.500 o número de funcionários diretos da companhia, que emprega 18.248 pessoas no mundo (13.622, no Brasil).

O projeto prevê duas novas ampliações de igual tamanho, a primeira delas em 2017.

“O ritmo de crescimento vai depender da economia. Se o mercado retrair, posso adiar a [expansão]”, diz o executivo, há dez anos à frente da Alpargatas, empresa do grupo Camargo Corrêa.

Mesmo quando as duas ampliações estiverem funcionando, Utsch diz que não há intenção de desativar Campina Grande (PB). “Vamos avaliar o que dá para levar de ganhos de eficiência para a Paraíba. Mas vamos manter todas as fábricas. Tudo o que produzimos vende.”

A nova fábrica vai concentrar a produção de maior valor agregado para o mercado nacional e o exterior.

Utsch diz que uma das razões de fazer fábrica no Brasil e não na China, por exemplo, está ligada ao fato de que exibir o registro de Made in Brazil faz diferença para a marca, que tem como um de seus valores a brasilidade.

“O custo na China seria 8% menor, o que é pouco.”

Fundação
1907

Receita (em 2012)
R$ 3 bilhões, alta de 16,8% em relação a 2011

Ebitda (em 2012)
R$ 413,7 milhões, aumento de 2,3% sobre 2011

Lucro líquido (em 2012)
R$ 280 milhões, queda de 8,9% sobre 2011

Funcionários (abr.2013)
Brasil: 13,6 mil
Exterior: 4.626

Principais marcas
Havaianas, Dupé, Topper, Rainha e Osklen

Lojas
518 (382 no Brasil e 136 no exterior)

Principais concorrentes
Vulcabras-Azaleia e Grendene

Fábricas
Campina Grande e Santa Rita (PB)
Carpina (PE)
Montes Claros (MG)

Texto extraído de: http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2013/10/1358762-marca-havainas-sera-usada-em-roupas-a-partir-de-2014.shtml