11 julIndústria da beleza eleva investimentos e cresce 11%

Escrito por Adriana Meyge, da Valor Econômico

industria_beleza

A Copa do Mundo no Brasil foi ruim para a indústria de beleza em geral, que registrou queda nas vendas em maio e junho, período que antecedeu o torneio. “O que vendeu foi só cerveja, picanha e carvão”, brinca João Carlos Basilio, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec). Apesar do efeito negativo, o faturamento da indústria cresceu 11% no primeiro semestre, uma alta real de 5,5% em relação a igual período do ano passado.

“Diante do quadro que se apresenta, podemos dizer que estamos nos safando bem”, disse o presidente da associação, João Carlos Basilio, ao citar as quedas apresentadas recentemente por outros setores industriais, como o automobilístico e o de máquinas. A desaceleração do crédito, fator que prejudica a indústria de bens duráveis, de certa forma beneficia setores como o de cosméticos, que tem preços menores. Cerca de 2,5 mil empresas atuam no Brasil, e as maiores são Natura, Unilever, Boticário, P&G, Avon e L’Oréal.

A indústria de beleza elevou em 5,2% os investimentos neste ano, com R$ 14,1 bilhões aplicados em marca, ativos e pesquisa e desenvolvimento. Atualmente, diversas empresas inauguraram ou estão construindo fábricas para suportar o volume de vendas que continua crescendo. Até abril, a alta foi de 7% em relação ao primeiro quadrimestre de 2013.

O segundo semestre é historicamente melhor para o setor, mas não deve apresentar grande mudança. A Abihpec estima que o faturamento das fábricas alcance R$ 42,6 bilhões este ano, com alta de 11,8% ante 2013.

A venda de produtos ao consumidor vai ultrapassar a marca de R$ 100 bilhões no ano, após atingir R$ 91,6 bilhões em 2013. Para proteger suas participações de mercado, as indústrias estão mais agressivas. A demanda por produtos do setor é estimulada com aumento de investimentos em marketing, promoções e lançamentos, segundo Basilio. “O mercado está cheio de promoções em todos os canais”, disse. A estratégia deve acarretar perda de margem para as empresas. “Faz parte do jogo. É um mercado muito grande, em que 1% de ‘market share’ representa R$ 1 bilhão, por isso requer muita atenção de todas as empresas”, afirmou o executivo.

A valorização do real em 2014 trouxe alívio à balança comercial do setor, que está em déficit desde 2009, chegando a US$ 412 milhões no ano passado. No primeiro semestre, as importações do setor caíram 12%, enquanto as exportações subiram 1%.

Texto extraído de: http://www.valor.com.br/empresas/3610548/industria-da-beleza-cresce-11#ixzz37D5p5bQA