07 novLojas virtuais terão selo de qualidade na Black Friday 2014

Escrito por Mariana Congo, d’O Estado de São Paulo

online_shopping

A Black Friday do comércio eletrônico brasileiro tem, pela primeira vez, a expectativa de ultrapassar R$1 bilhão em vendas. O dia de descontos será em 28 de novembro.

No esforço para fortalecer a confiança do consumidor, nesta quinta edição do evento a Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (Câmara E-net) reeditou um código de ética que garante o selo “Black Friday Legal” ao site que aderir. As empresas que ganharem o selo se comprometem a oferecer descontos de verdade e não maquiar preços durante a promoção.

Até hoje, 96 empresas assinaram o termo e a previsão é de chegar a 150 varejistas, um crescimento de 20% em relação a 2013. “A autorregulamentação é uma tentativa de separar o trigo do joio, destacando quem tem boas práticas”, diz o presidente da Câmara E-net, Ludovino Lopes.

Previsões de vendas

As previsões reforçam a consolidação do evento como principal data do e-commerce brasileiro. Segundo o diretor executivo do Ibope E-commerce, Alexandre Crivellaro, em novembro e dezembro o comércio online poderá faturar R$2,6 bilhões. E a Black Friday, em somente 24 horas, poderá responder por quase um terço desse volume.

Na projeção do E-bit, empresa especializada em informações sobre o comércio eletrônico, a Black Friday tem potencial para gerar R$1,2 bilhão em vendas. Os dados do E-bit consideram 20 mil lojas online.

Entre as cerca de 120 lojas reunidsa no site blackfriday.com.br, mantido pelo portal de cupons Busca Descontos, a previsão conservadora é de que as vendas atinjam R$700 milhões neste ano. “Mas podemos bater a marca de R$1 bilhão”, diz o presidente do Busca Descontos e incentivador da Black Friday no Brasil, Pedro Eugênio. Segundo ele, o tíquete médio na data é alto – perto de R$400 -, pois o consumidor se dispõe a comprar produtos em que já tinha interesse. Itens como smartphones, TVs e tablets estão no topo da lista de desejos.

Amadurecimento do mercado

Eugênio diz que os lojistas e consumidores estão aprendendo a administrar expectativas sobre os descontos. “Nem todos os produtos estarão em promoção”, diz. De acordo com o Busca Descontos, os preços ficarão em média de 20% a 30% menores – porcentual significativo para produtos eletrônicos, por exemplo.

Pioneiro do e-commerce no Brasil e um dos fundadores da Câmara E-net, o professor Jack London diz que a Black Friday brasileira já passou da fase da desconfiança do consumidor e agora chega ao ponto da aceitação plena. “Esse ciclo ocorre com qualquer novidade e inovação”, diz Londo.

Em geral, o setor compartilha a visão de que a Black Friday amadureceu em toda a cadeia que envolve fornecedores, varejistas, empresas de pagamento de infraestrutura e consumidores. “A pior situação para a loja é gerar interesse no consumidor e não conseguir finalizar a venda por problemas técnicos”, diz Gastão Mattos, presidente da Braspag, empresa de soluções de pagamento do grupo Cielo. Segundo ele, várias empresas realizaram testes de estresse para prever problemas com alto número de acessos.

Previsão da Braspag mostra que o pico de vendas da Black Friday será entre 16h e 17h, o que pode indicar que o consumidor está preocupado em comparar preços.

Dado do Ibope E-commerce mostra que o acesso às lojas online cresceu sete vezes na Black Friday de 2013. Evento teste realizado pela Americanas.com em julho deste ano, a Black Night, fez os acessos crescerem três vezes.

Enquanto em 2012 as principais reclamações eram sobre propaganda enganosa e maquiagem de descontos, em 2013 os consumidores relataram mais problemas com sites fora do ar ou dificuldade para fechar uma compra, segundo o portal Reclame Aqui.

Texto extraído de: http://economia.estadao.com.br/blogs/radar-tecnologico/lojas-virtuais-terao-selo-de-qualidade-na-black-friday-2014/