07 fevMais redes estrangeiras disputam varejo doméstico

Escrito por Camila Abud e Cínthia Zagato, do DCI

O capital externo tem entrado cada vez mais no varejo brasileiro, também por meio de expansão de lojas de bandeira estrangeira, fora as fusões e aquisições. A alimentação fora do lar, o vestuário e o comércio eletrônico têm despontado neste sentido, como é o caso da norte-americana de iogurte congelado (frozen iogurte) Tutti-Frutti, com atuação em mais de 30 países.

Especializada em self service e presente na Austrália, Colômbia, Nova Zelândia e México, entre outros, a rede, criada em 2007, apenas dois anos depois já estava com operações no Brasil e prevê dobrar de tamanho este ano, ao movimentar acima de R$ 35 milhões. São 21 lojas em funcionamento e outros 23 contratos de franquias assinados, com enfoque à Região Nordeste, ressalta Mauricio Jikal, diretor-geral da franquia no País. Fora o conceito de frozen iogurte, mas ainda na área de fast-food, também têm planos de expansão no País redes de restaurantes como as americanas Chili’s, além da Hooters. Esta última, inclusive, tem uma unidade para ser inaugurada no Mooca Plaza Shopping, na capital paulista.

As áreas de vestuário e acessórios são a aposta da TriHub, que há um ano investe em marcas esportivas internacionais para vender no País, como a australiana 2xU (Two Times You), que fabrica roupas e acessórios esportivos, além da chinesa Zixtro, cujo carro-chefe são as mochilas para variados tipos de esporte, como destaca Edson Silva , diretor de Logística da TriHub.

No comércio eletrônico (e-commerce), a japonesa Rakuten, que chegou ao Brasil em 2011, através da aquisição da provedora Ikeda, funciona como shopping on-line e atende a empresas como a Le Postiche e a Depósito de Meias São Jorge.

Texto extraído de http://www.dci.com.br/Mais-redes-estrangeiras-disputam-varejo-domestico-7-409462.html