18 janNRF 2017: Segundo dia reúne tecnologia e conceitos básicos do varejo

Por Redação

(Kip Tindell, chairman da NRF, e Richard Branson, fundador da Virgin Group)

O segundo dia da NRF 2017 uniu dois extremos: iOT (Internet das Coisas) – que engloba dispositivos vestíveis, realidade aumentada e diversos outros artigos tecnológicos -, e práticas básicas a serem executadas – estas envolvendo propósito, paixão, confiança, engajamento e gestão de marca.

O ponto de conexão dessas realidades tão distintas está no consumidor, que quer estar conectado – digital e humanamente, por seus valores – às suas operações varejistas preferidas, que serão consideradas como tal se oferecerem esta conexão.

A criação de marcas foi destaque na aguardada Keynote Session que trouxe um papo entre Kip Tindell (Presidente da NRF e fundador da The Container Store) e o carismático e mundialmente conhecido fundador da Virgin, Sir Richard Branson. Houve também paineis dedicados a mostrar as operações do Eataly e da Sonos. Para Adam Saper, do Eataly, além das vendas, uma importante missão presente em suas lojas é fazer com que o consumidor aprenda alguma coisa – isso criará uma conexão diferente entre eles e sua marca. Para Branson, a paixão faz toda a diferença, tanto para empreendedores quanto para a equipes, que produzem muito mais quando tem orgulho do local em que trabalham.

Já em relação às práticas básicas, pudemos observá-las nos dados de uma pesquisa apresentada em uma das exposições, que abordava a questão da melhoria nas operações varejistas para encorajar os consumidores a visitá-las: 87% concordaram que melhorar a atitude e conhecimento da equipe ajudaria. Outros 80% falaram de mais acesso a pessoal treinado. Quem não sabe da importância disso?  O desafio é por em prática!

Autenticidade também foi um termo bastante usado, tanto na relação com times como na relação com consumidores e com a comunidade no geral. Está bastante claro que o varejo precisa ser um agente que some ao ambiente onde está inserido e não apenas faça uso do potencial econômico da região onde atua.

Nessa edição, que mais uma vez tem o Brasil como maior delegação internacional, o varejo parece cada vez mais apontar para um caminho de geração Z, onde a atitude da marca é mais importante que o discurso, onde o status perde espaço para a autenticidade, onde a qualidade está acima da quantidade e a tecnologia, por sua vez, muito presente – mas preferencialmente sem ser percebida -, fazendo com que processos, canais e informações estejam integrados, acessíveis e simplificados.