20 abrPão de Açúcar engatilha expansão com vendas maiores

Escrito por Viviane Pereira, da Reuters

Empresa aproveitou a desaceleração do consumo em 2011 para concluir o plano de conversão de lojas

Após ter aproveitado a desaceleração do consumo em 2011 para concluir o plano de conversão de lojas, o Grupo Pão de Açúcar se prepara para colocar em prática sua estratégia de expansão em 2012, quando os investimentos devem chegar a quase 2 bilhões de reais, em meio à gradual retomada da demanda do consumidor.

A maior varejista do país encerrou o primeiro trimestre com vendas líquidas de 12,147 bilhões de reais, crescimento de 11,8 por cento ante o mesmo período do ano passado.

“O resultado ficou em linha com o orçamento (da companhia)”, disse à Reuters nesta quinta-feira o vice-presidente de relações corporativas do grupo, Hugo Bethlem. “Diferentemente do ano passado, quando o primeiro trimestre decepcionou, este ano estamos alinhados.” O resultado foi favorecido pelo desempenho tanto do segmento alimentar quanto da Viavarejo -ex-Globex, que concentra ativos de eletroeletrônicos e comércio online-, com altas de 11,2 e 12,4 por cento nas vendas líquidas, respectivamente.

Segundo o executivo, a aceleração do plano de conversão de lojas contribuiu para o resultado no caso do segmento alimentar (supermercados e hipermercados) por “capturar e atender a necessidade da nova classe média brasileira”.

A Viavarejo, por sua vez, teve a seu favor as ações de marketing e campanhas de liquidação, com forte desempenho no comércio eletrônico.

As vendas mesmas lojas totais do grupo – que consideram aquelas em operação há pelo menos 12 meses – enquanto isso, cresceram 9,6 por cento no primeiro trimestre.

A tendência, conforme Bethlem, é que o atual trimestre mantenha a trajetória de vendas maiores na comparação anual, apoiada na recuperação da demanda do consumidor.

“A tendência é positiva… teremos um segundo trimestre pelo menos parecido com o primeiro”, afirmou.

O segundo trimestre tende a ser beneficiado pela comemoração de datas como Páscoa, Dia das Mães e Dia dos Namorados. As vendas do período também devem ter maior efeito de medidas de incentivo ao consumo como a prorrogação da alíquota menor do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para itens da linha branca.

As previsões do grupo para este ano serão anunciadas oficialmente em 7 de maio, segundo o executivo, na ocasião da divulgação do balanço do primeiro trimestre.

Os investimentos previstos pela companhia para este ano podem chegar a 1,966 bilhão de reais, montante 24,3 por cento superior ao desembolsado no ano passado, conforme proposta a ser aprovada em assembleia no dia 27 deste mês.

“(O valor do investimento) é o teto aprovado… ao longo do ano podemos contar com outras aprovações”, disse Bethlem. “Esse ano aprovamos teto maior para não ter de recorrer a outra aprovação, mas pode ficar parecido com o (investido no) ano passado”.

Em 2011, o plano inicial da companhia previa até 1,410 bilhão de reais em investimentos. O aporte, entretanto, foi 12,2 por cento maior, sendo mais de 660 milhões de reais voltados a reforma de lojas.

Este ano, a maior parcela dos investimentos ficará concentrada na expansão de lojas, além de compra de terrenos e infraestrutura logística e tecnológica.

O grupo planeja abrir cerca de 420 lojas até 2014, a maior parte de unidades de pequeno formato, sob a bandeira Extra Fácil.

No primeiro trimestre, foram inauguradas duas lojas (Extra Hiper e Assaí) e cinco foram convertidas em Minimercado Extra. Outras 14 unidades estão em fase de construção.

Em 2011, a varejista converteu as lojas Compre Bem e Sendas para a bandeira Extra e redesenhou as unidades Assaí, além de ter convertido as unidades Extra Fácil para a marca Minimercado Extra.

A integração de Casas Bahia ao grupo também está prevista para ser concluída este ano.

“Esperamos o ano passado inteiro, esperamos o primeiro trimestre… temos expectativa de que aconteça no segundo trimestre”, afirmou Bethlem, se referindo ao parecer do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) quanto à aquisição das Casas Bahia, anunciada em dezembro de 2009 e que teve os termos revisados em meados de 2010.

“Se vem a liberação (do Cade), conseguimos acelerar as sinergias que ainda não foram capturadas”, acrescentou.

Texto extraído de http://exame.abril.com.br/negocios/empresas/varejo/noticias/pao-de-acucar-engatilha-expansao-com-vendas-maiores?page=2&slug_name=pao-de-acucar-engatilha-expansao-com-vendas-maiores