25 janPaulistano passa cerca de 600 minutos em shoppings por mês

Por Rosangela Capozoli, do Valor Econômico

shopping

Tempos de consumo, vitrines de sonhos, os shoppings centers representam a parcela do varejo que mais fatura no país. Não por acaso, São Paulo é a sede de quase 10% de todos esses centros de compras. São 52 de um total de 537 estabelecimentos que funcionam no país. Outros três deverão ser erguidos em 2016: Shopping Morumbi Town, Cidade Jardim Shops e o Cantareira Norte Shopping. A segunda cidade no ranking desses empreendimentos é o Rio de Janeiro, mas com uma larga distância da capital paulista – tem 39 centros de compras. Belo Horizonte aparece em terceiro lugar com 20 shopping centers.

Além de conforto e praticidade, esses templos de consumo oferecem outro benefício valioso para o paulistano: a segurança, um dos fatores que mais preocupam os moradores de São Paulo. São motivos como esses que levam os paulistanos a percorrerem os corredores, visitar lojas e frequentar cinemas e restaurantes oito vezes por mês, em média. O estudo Pesquisa do Perfil do Frequentador 2014, da Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce), aponta que 37% dos paulistanos vão a esses centros para fazer compras. O levantamento, bianual e feito em parceria com a agêncica Cause, entrevistou cerca de duas mil pessoas, com 18 anos ou mais, residentes nas cinco regiões de São Paulo, em busca de seus hábitos e preferências nos shopping centers. Conforto, conveniência e mix variado estão entre os principais motivos que fazem dos malls a primeira opção dos paulistanos na hora de comprar.

Do conjunto desses clientes de shoppings, 22% procuram por lanchonates, restaurnates ou cafés e outros 15% buscam o leque de serviços desses centros de compras. Chega a 7% a  parcela dos que têm o hábito de passear e olhar as vitrines e 4% dos que vão aos shoppings para encontrar pessoas ou pagar contas.

“As opções de lazer, alimentação, conveniência e consumo disponíveis nos malls continuam sendo fortes atrativos para o consumidor. Os shoppings proporcionam, cada vez mais, conveniência e conforto aos paulistanos, atributos que contribuem para manter o fluxo e impulsionar as vendas nesses empreendimentos”, diz Glauco Humai, presidente da Abrasce. Para se ter uma ideia, o paulistano costuma ficar, em média, 74 minutos dentro dos shoppings a cada ida. Considerando a média de oito visitas por mês, são 592 minutos.

O estudo apontou ainda que mais da metade dos paulistanos (58%) vão ao shopping acompanhada, o que indica que este é um programa de lazer, para se fazer em família ou com amigos. Ainda segundo o levantamento, 86% dos paulistanos que frequentam shoppings têm o hábito de ir aos seus cinemas. Entre os que vão ao cinema, 68% utilizam também a praça de alimentação. Do total dos entrevistados para a pesquisa em São Paulo, 84% se declararam muito satisfeitos ou satisfeitos com o shopping.

“Mais da metade das pessoas (54%) optam pelo mall porque suas lojas ficam abertas até mais tarde e nos fins de semana”, diz o presidente. Entre os entrevistados, 50% também avaliam a variedade de operações como um diferencial frente ao comércio em geral. “Cada vez mais o setor aposta em conceitos modernos nos seus empreendimentos, transformando os shoppings em centros de compras e convivência alinhados com as expectativas do público-alvo. As opções de lazer, entretenimento e gastronima, além do conforto proporcionados continuam sendo fortes atrativos para o frequentador”, avalia Humai.

Para Adriana Colloca, superintendente da Abrasce, esses esses espaços se tornaram mais que uma “praia” para os paulistanos: tornaram-se um espaço de convivência. “Nossas pesquisas mostram que é lá que as famílias fazem compras, almoçam, divertem-se enquanto deixam as ropuas para lavar ou os sapatos para consertar. Fazem tudo no mesmo local e com maior comodidade e segurança”, diz. Segundo a executiva, outra pesquisa mostra que o shopping aparece como fonte de informação e atualização na área da moda e da cultura em geral.

Texto extraído de: http://www.valor.com.br/empresas/4407718/paulistano-passa-600-minutos-em-shopping-cada-mes