09 abrPolishop investe em aplicativo mobile para facilitar as compras

Escrito por Ticiana Werneck, do Portal No Varejo

Ao direcionar a câmera do celular para a TV, aplicativo mobile da Polishop reconhece o produto da tela e fecha a compra em poucos passos | Foto: Douglas Luccena

Sentado no sofá, o consumidor assiste ao comercial da fritadeira AirFryer, na transmissão pela Polishop. Ele se interessa e resolve comprar. Aponta a câmera do smartphone para o televisor e em poucos passos fecha a compra. É assim o aplicativo para celular lançado pela Polishop.

“Adotamos um recurso de reconhecimento de vídeo que identifica imagens dos produtos nos nossos comerciais. Pego meu telefone, foco na imagem da TV e o sistema reconhece o item e me leva para a tela de compra”, afirma João Appolinário, presidente da Polishop.

Segundo Appolinário, a Polishop é a primeira empresa do mundo a oferecer um aplicativo de celular gratuito para detectar os produtos que estão sendo oferecidos pelo comercial de televisão. Ele diz, porém, que as vendas por aplicativo ainda possuem pouca representatividade dentro da empresa. “Estamos antecipando um negócio que daqui a cinco anos será comum”, argumenta.

Mais um canal

Inegavelmente multicanal, a Polishop vende por sete canais de venda diferentes: telefone, catálogo, porta a porta, televisão, loja física, e-commerce e agora também via aplicativo de celular que reconhece a imagem do produto pela televisão.

Conhecida pelos infomerciais que ofertam as mais diversas “engenhocas” aos telespectadores, a Polishop já nasceu virtual em 1999. Três anos depois vieram as primeiras lojas. De lá prá cá, Appolinário cercou o consumidor como pôde. São 160 lojas – todas próprias e funcionando em shopping centers – em 24 Estados do Brasil. E as inaugurações não param.

Tamanho investimento se deve à força das lojas na receita total da companhia: elas representam 55% do faturamento da marca, seguidas pelas vendas por telefone (28%), internet (14%) e porta a porta (2%).

A tecnologia é forte aposta da Polishop para incrementar as vendas. Appolinário espera um crescimento superior a 50% ao ano nas vendas via internet. “Durante muito tempo o varejo entendeu que os canais competiam entre si. Alguns ainda pensam isso. Há empresas de vendas porta a porta que deixam de abrir lojas físicas com medo delas competirem entre si. A minha tese sempre foi o contrário. Os canais somam-se”, conta.

Além disso, todos os canais da empresa têm a mesma política de preço, produto, atendimento e oferta. “Todos trabalham alinhados, isso é padronização. Nosso consumidor não passa por aquela situação de negociar preços na loja física e encontrar um valor menor pela internet. Se eu faço uma promoção em uma loja na cidade de São Paulo, haverá outra igual em Fortaleza, ainda que a capital cearense demande um custo maior de logística”, finaliza.

Texto extraído de: http://www.portalnovarejo.com.br/destaque/destaques/apontar-e-comprar