18 outShoestock, Makro e outras lojas que já fecharam unidades neste ano

Por Tatiana Vaz, da Exame.com

O ano de 2015 tem sido difícil para o varejo, já que os consumidores, com menos dinheiro no bolso e insegurança em relação aos seus empregos, têm gastado bem menos que nos anos anteriores.

Como resposta, algumas redes do setor estão tendo de fechar algumas lojas, consideradas pouco rentáveis, ou até se despedir do país de vez.

Reunimos algumas das empresas que fizeram isso – até agora. Confira a seguir.

Via Varejo

2viavarejo

As vendas mais fracas fizeram com que a Via Varejo, empresa de eletroeletrônicos do Grupo Pão de Açúcar, tivesse resultados menores no último trimestre.

Por consequência, a companhia anunciou que irá fechar 28 lojas Ponto Frio e outras 3 da Casas Bahia, iniciativa que faz parte do seu plano de reestruturação.

O processo de fechamento de lojas já havia começado antes. Até julho, a Via Varejo já havia fechado 19 lojas.

Shoestock

3shoestock

A rede de bolsas, acessórios e sapatos Shoestock fechou duas de suas quatro lojas neste ano. As lojas de Moema e Vila Olímpia, ambas na Zona Sul da capital, permanecem abertas.

As vendas pela web também chegaram ao fim. No site da empresa ficou apenas uma mensagem de agradecimento da marca às clientes.

C&A

4CA

Em julho foi a vez da C&A fechar duas lojas, uma no shopping Anália Franco, na zona leste de São Paulo, e outra no BarraShoppingSul, em Porto Alegre.

Na ocasião, a companhia afirmou que não parou de investir no país, mas passou a focar em ações que trouxessem menos impactos negativos a curto prazo.

Kate Spade

5katespade

Depois de cinco anos, a marca Kate Spade se despede do Brasil. A rede anunciou, em agosto, que fechará as lojas, e-commerce e outlet que possuía no país.

A decisão, segundo a empresa, faz parte da estratégia global de priorizar a expansão mundial da marca por meio de distribuidores locais.

Lanvin!

6lanvin

A marca francesa de luxo fechará, até o final de 2015, as portas da Maison que possui há três anos no Shopping JK Iguatemi, em São Paulo.

A decisão foi tomada em função do fim do contrato com a administradora do shopping, justificou a empresa.

Makro

7makro

A rede de atacarejo Makro fechou uma loja que funcionava há 16 anos em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, em 1º de outubro.

Em comunicado, a companhia reforça que a decisão é pontual e que a empresa está buscando um espaço para sediar uma nova loja na cidade.

O posto de combustível, localizado próximo à loja, permanecerá aberto e terá o seu funcionamento normal. As outras 77 lojas no país serão mantidas.

Victor Hugo

7victorhugo

A grife de bolsas e acessórios Victor Hugo fechou as portas da sua maior e mais tradicional loja no Brasil – a de Ipanema, no Rio, aberta na década de 70.

O aumento do custo fixo do endereço, com os exorbitantes preços de alugueis na capital carioca, e a queda nas vendas foram os motivos.

Marisa

9marisa

A rede de varejo feminina Marisa começou a investir em vendas diretas em 2012, mas acabou por decidir encerrar este tipo de operação por conta das dificuldades encontradas nestes tempos de crise.

Em comunicado, a empresa afirmou que “a crise econômica enfrentada pelo país, sem precedentes na nossa história recente, foi fator decisivo para descontinuarmos a operação de venda direta”.

Texto extraído de: http://exame.abril.com.br/negocios/noticias/marisa-ponto-frio-e-outras-que-ja-fecharam-lojas-neste-ano