Universo Varejo | The Body Shop reduz plano de expansão, mas ainda vê espaço para crescer no Brasil

10 setThe Body Shop reduz plano de expansão, mas ainda vê espaço para crescer no Brasil

Por André Jankavski, da IstoÉ Dinheiro

the-body-shop

Quando chegou ao Brasil, em 2013, a marca britânica de cosméticos The Body Shop tinha uma ousada meta de expansão. Controlada pela gigante francesa L’Oréal há uma década, a empresa, dona de um faturamento global de € 400 milhões no ano passado, previa abrir 500 lojas até 2019. Hoje, no entanto, os planos estão mais modestos. Até 2023, a companhia, que opera 112 unidades, espera atingir a marca de 230 pontos de venda no País, menos da metade do plano inicial. “Decidimos desacelerar o ritmo de crescimento da rede e avançar de modo sustentável”, diz a francesa Nathalie de Gouveia, diretora de expansão da companhia.

A ideia, segundo ela, é estar em espaços com concentração e fluxo de pessoas de renda mais elevada, como shoppings e aeroportos das regiões Sul e Sudeste. Além disso, a empresa passou a apostar em lojas menores, os quiosques. O modelo de unidades compactas é inédito para a marca nos 60 países em que atua, mas passou a ser visto como prioritário para a subsidiária brasileira. O preço médio para a abertura da franquia de um quiosque é R$ 125 mil, enquanto de uma loja convencional pode chegar a R$ 400 mil. “É uma forma de conseguir um espaço nos shoppings onde não há pontos disponíveis”, diz Gouveia.

A estratégia não foi a única mudança da empresa. Desde fevereiro, a matriz passou a ter controle total do negócio. A companhia comprou os 49% restantes da fatia de Tobias Chanan, antigo CEO e ex-dono da Empório Body Store, adquirida parcialmente em 2013. Chanan se afastou da The Body Shop. Segundo especialistas, a antiga meta otimista da empresa pode ter sido motivada pela visão externa do mercado brasileiro. “Eles podem ter visto o tamanho do Boticário e pensar que é simples expandir os negócios”, diz Alberto Serrentino, fundador da consultoria Varese Retail, especializada em varejo.

Texto extraído de: http://www.istoedinheiro.com.br/noticias/negocios/20160909/encolher-para-crescer/411984