13 janVeja quais foram os destaques do primeiro dia da NRF 2014

Escrito por Daniel Zanco, sócio-diretor da Universo Varejo

O primeiro dia da 103ª Convenção da Federação Americana de Varejo (NRF) começou com participação brasileira em um dos palcos do Jacob Javits Center. Chilli Beans e Puket – representadas por seus fundadores Caito Maia e Claudio Bobrow – falaram para uma plateia cheia de brasileiros, mas também com muitos americanos que se encantaram com os cases. O ponto em comum e que fica como lição dessas histórias de sucesso é a coragem de inovar e a capacidade de criar conexões emocionais, tanto com consumidores quanto com a equipe.

DSCN2867

(Caito Maia: fundador e CEO da Chilli Beans)

Ficou bastante evidente que a mudança será cada vez mais intensa no varejo e que a sobrevivência será uma questão de capacidade de adaptação ao contexto e de inovação. Essa perspectiva de inovação foi bastante reforçada na primeira Keynote Session do dia, onde Rick Caruso (construtor de espaços comerciais) comentou que os Shoppings do futuro terão que ser totalmente diferentes do formato atual. Caruso falou também da importância da hospitalidade em um centro de compras e que os consumidores – que tem cada vez mais opção – vão fazer uso desses espaços apenas se ele trouxer relevância e justificar o tempo investido nele.

Falando em relevância, essa foi uma das palavras-chave do dia. Relevância para o consumidor – de várias formas:

–  Seja a partir de uma experiência de compra envolvente;
–  A partir de ofertas e ações geradas com base em uma cuidadosa análise de dados;
–  Por conta de um ambiente comercial que motive a visita;
–  Por um sortimento diferenciado;
–  Pela customização de produtos e serviços,  entre tantas outras.

Em termos de varejo global e expectativas de crescimento, o Brasil saiu do radar, como mostrou o painel da Deloitte sobre as grandes operações do mundo. Já o varejo americano está olhando para frente, pensando em como surfar esse novo ciclo de crescimento que se desenha e como otimizar o potencial desse consumidor cada vez mais cheio de poder. Essa otimização passará pelo desafio da fidelidade de um cliente com cada vez mais opções de compra, sejam físicas ou virtuais. O Loblaw – supermercadista de destaque no varejo canadense – mostrou alguns interessantes caminhos em seu painel “Personalizando a Experiência do Cliente” – onde provou que uma boa análise dos dados obtidos na loja podem gerar ofertas consistentes e relevantes,  levando à fidelidade e ao aumento de vendas. Outro case, da rede Francesa Monoprix, também abordou o tema, sugerindo que a personalização gera resultados significantes para o negócio.

A Forrester Research reforçou a importância da criação da relevância através de inovação, sobretudo com os cases da Asics – que apresentou sua loja conceito de Barcelona, recheada de tecnologia e interação para entregar uma experiência única de relacionamento com a marca – e da alemã Mymuesli, que aposta na customização como caminho, possibilitando a compra de cereais criados pelos seus consumidores em diferentes canais. Criação compartilhada também é o lema da Quirky, outra empresa citada nesse painel, tida já como um case e que já foi uma promessa há apenas dois anos no Retail Fast Track.

O dia terminou com uma pesquisa apresentada por Hamish Brewer, CEO da JDA, que mostrou que os principais presidentes de empresas varejistas estão focados na expansão dos seus negócios e preocupados com o impacto das mudanças de comportamento do consumidor, seguida de um bate papo que reforçou as questões do dia e tocou no ponto da importância do material humano – em geral jovem e despreparado – como fator de entrega de relevância e diferenciação para o varejo.

Um primeiro dia bastante proveitoso, cheio de brasileiros ávidos por conhecimento e que deixou a sensação de “quero mais” em todos que estavam ansiosos pelo início dessa NRF. Amanhã teremos Geroge W. Busch e Ginni Rometi, duas Keynote Sessions de muito peso, além de breakouts instigantes.