27 julVia Varejo aposta na expansão de lojas premium para retomar espaço no mercado

Via Reuters

A Via Varejo está apostando na ampliação de um projeto de abertura de lojas voltadas para consumidores de alta renda, buscando capturar uma fatia do mercado que está migrando para o comércio eletrônico e driblar o ambiente de crise econômica que atinge mais fortemente as vendas de bens de consumo duráveis.

A companhia, maior rede de varejo de eletrodomésticos e móveis do país, ampliou de 36 para 51 o número de lojas “premium” abertas no país entre março e julho, com potencial para dobrar esse número nos próximos meses e rivalizando com redes que já atuam no segmento, como a Fast Shop.

A expansão dos pontos abertos ocorreu depois que a companhia registrou incrementos do indicador de vendas mesmas lojas da categoria premium de quase 32% no segundo trimestre, disse Thiago Pasqua, diretor de operações das lojas do segmento.

“Nosso negócio é muito commodity, preço quem dá é o cliente e ele sabe o preço na internet… O que fizemos foi mais uma lição de casa sobre os locais onde estávamos, mas sem estrutura adequada de atendimento”, disse o executivo. Ele citou como diferenciais das lojas premum espaços onde o cliente pode interagir com produtos em ambientes decorados e produtos de valor médio mais alto, como notebooks voltados a jogadores de videogames.

Evitando citar números precisos, Pasqua afirmou que o tíquete-médio das lojas premium da rede é cerca de 40% mais alto que nas lojas comuns da Via Varejo, que tem uma base de cerca de 970 pontos de vendas no Brasil todo.

A Via Varejo, que foi colocada à venda pelo controlador GPA, vem desde 2016 passando por um processo de reestruturação, integrando centros de distribuição com sua operação de comércio eletrônico.

No primeiro trimestre, a rede teve um crescimento de 2,5% nas vendas mesmas lojas após uma queda de quase 12% no mesmo período do ano anterior. Já no segundo trimestre, as vendas mesmas lojas subiram 10,8% ante alta de 2,6% na comparação com os meses de abril a junho de 2016.

Segundo Pasqua, o investimento nas lojas premium não é significativamente maior que de outros pontos tradicionais da rede. Algumas das lojas premium, inclusive, eram pontos tradicionais com performance de vendas mais fracas.

“Eram lojas que tinham resultados piores que as outras, mas estavam posicionadas para jogar um jogo diferente. Estamos adequando as lojas para o público correto”, afirmou o executivo.

“Tem espaço, sim, para expandir [o modelo premium]. Ainda temos algumas lojas para incorporar e tem muito shopping center em que ainda não estamos posicionados e em que poderíamos estar”, acrescentou, estimando que o Brasil poderia abrir 100 lojas do segmento premium da Via Varejo. Como comparação, a Fast Shop tem cerca de 90 lojas no país.

Das 51 lojas da Via Varejo no segmento premium, 38 são da bandeira Pontofrio e o restante da Casas Bahia. A região Sudeste tem um total de 32 pontos no segmento; seguido pelo sul com oito unidades, Nordeste com sete e Centro-Oeste com quatro. Segundo Pasqua, a rede pretende expandir o segmento em todas as regiões em que as bandeiras já atuam.

Balanço

A rede reduziu o prejuízo líquido no segundo trimestre deste ano, apoiada no crescimento da receita e no controle de despesas.

A companhia teve prejuízo líquido de R$45 milhões entre abril e junho, ante resultado líquido negativo de R$350 milhões no mesmo período de 2016.

Excluindo o impacto do acordo celebrado em 4 de julho com o GPA e membros da família Klein, o lucro ajustado ficou positivo em R$19 milhões no segundo trimestre.

O termo assinado com membros da família Klein, acionista minoritária da empresa, ajusta perdas e garantias de reembolso, a fim de evitar disputas judiciais decorrentes da criação da varejista a partir da fusão entre Casas Bahia e Pontofrio, em 2010.

No segundo trimestre, a receita com vendas em mesmas lojas físicas subiu 10,8% na comparação anual. Trata-se do primeiro crescimento de dois dígitos desde o terceiro trimestre de 2013, segundo material de divulgação do balanço.

Considerando lojas físicas e on-line, a Via Varejo gerou R$6,146 bilhões em receita líquida ajustada, ante R$5,547 bilhões do mesmo período do ano anterior.

A Via Varejo ainda apurou lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) de R$190 milhões, alta de 117% na comparação anual.

Texto extraído de: http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2017/07/1904106-dona-das-casas-bahia-amplia-lojas-premium-em-busca-de-retomada.shtml